domingo, 27 de fevereiro de 2011

Vacina vegetal contra a febre amarela é criada no Brasil

Um avanço tecnológico muito significativo para o país, cientistas do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (o Bio-Manguinhos) , da Fiocruz, no Rio, em parceria com pesquisadores americanos, assinaram acordo para o desenvolvimento e a produção da primeira vacina feita no mundo a partir de uma planta - ou seja, sem o uso de vírus atenuados ou inativados (não infecciosos) . O imunizante escolhido para ser inicialmente produzido dessa forma é o da febre amarela, uma das doenças do arsenal do mosquito da dengue, o Aedes aegypti, e endêmica em países da América do Sul e da África. Além de reduzir os efeitos colaterais - raros com a vacina atual, porém graves -, o novo imunizante poderá ser fabricado em maior quantidade e a um custo menor.
Hoje a vacina contra a febre amarela é produzida por Bio-Manguinhos com uma tecnologia 100% brasileira e desenvolvida a partir de uma cepa viva atenuada do vírus do gênero dos flavivirus, cultivada em ovos especiais (chamados embrionados) livres de doenças e fornecidos por uma única indústria nacional. O vírus se multiplica no ovo formando o antígeno - o princípio ativo da vacina atual.
Apesar de sua comprovada eficácia, esse método tem problemas. Como a vacina é obtida a partir de embriões de galinha, ela pode causar alergia em pessoas suscetíveis e até complicações como encefalite, a inflamação no cérebro, devido ao uso de vírus vivo. Os pesquisadores esperam que com a nova técnica o imunizante seja mais seguro, diz Marcos Freire, vice-diretor de Desenvolvimento Tecnológico de Bio-Manguinhos:
- É algo inédito no mundo.
De forma simplificada, na produção da nova vacina os cientistas pegam o gene que faz (codifica) a principal proteína do vírus que induz a resposta imunológica no organismo. Em seguida, eles colocam esse gene nas células das folhas da planta Nicotiana benthamiana, espécie de tabaco. À medida que ela se desenvolve suas folhas crescem produzindo grande quantidade de antígeno.
- Cada folha da planta é uma fábrica do antígeno que será usado na vacina - explica Ricardo Galler, principal pesquisador.
O método das chamadas biofábricas é usado na produção de algumas substâncias, como insulina, mas é a primeira vez que se chega tão longe com uma vacina.
Freire comenta que a produção nacional de ovos embrionados para a produção da vacina para o mercado brasileiro e o externo (o país exporta o imunizante para 70 países) não atende à demanda. E boa parte precisa ser importada dos Estados Unidos e da Europa.
- Se tudo der certo com a nova tecnologia e os testes pré-clínicos e clínicos apresentarem bons resultados, não vamos depender mais de ovos especiais embrionados, que no Brasil só têm um fornecedor - afirma o pesquisador. - Apesar de a vacina atual ser segura e eficaz, sua tecnologia tem 70 anos e, de certa forma, é obsoleta.
O uso da planta em cultivo por hidroponia - sem solo, onde as raízes recebem uma solução nutritiva balanceada - é uma grande vantagem porque os cientistas não precisam de grandes áreas de granjas para obter a proteína que estimula a resposta ao vírus, o que favorece a produção em áreas controladas e restritas. Além disso, o tabaco é um vegetal bem estudado e não comestível. Portanto, o seu cultivo não vai interferir na produção de alimentos.
Investimento de US$ 6 milhões
O acordo entre Bio-Manguinhos e o Centro Fraunhofer para Biotecnologia Molecular e a iBio Inc., nos Estados Unidos, foi assinado no último dia 4. A Fiocruz investirá US$ 6 milhões no projeto para que o país domine o inovador processo de produção, e a previsão para o início da primeira fase clínica de estudo, no Brasil e nos Estados Unidos, é de três anos.
O Programa Nacional de Imunizações recomenda que a vacina contra febre amarela seja aplicada a partir dos nove meses de vida e a imunização seja repetida a cada dez anos. Isto vale principalmente para as pessoas que viajam para regiões endêmicas.

Por: Antônio Marinho

Papa Bento XVI assinou em 1970 documento questionando o celibato na Igreja Católica

Joseph Ratzinger, atualmente o Papa Bento XVI, assinou em 9 de fevereiro de 1970, quando ensinava teologia na Universidade de Regensburg, na Baviera, uma petição que questionava o celibato na Igreja Católica, segundo informações publicadas na sexta-feira 28/01/2011 pelo jornal "Süddeutsche Zeitung". À época o religioso tinha 42 anos.
"Nossas consultas e nossos estudos coincidem com a necessidade de um tratamento diferenciado à lei que estabelece o celibato(... ) tanto pela Igreja alemã como pela Igreja mundial", escreveram os teólogos em carta enviada à Conferência Episcopal da Alemanha, para a qual Ratzinger atuou como consultor em questões de fé e moral. Juntamente com ele, estiveram nomes de peso como os dos também teólogos Karl Rahner, Otto Semmelroth, Karl Lehmann e Walter Kasper.
O documento, que não havia se tornado público até agora, permaneceu arquivado por 41 anos. Segundo a reportagem do jornal alemão sob o título de "As dúvidas do jovem Ratzinger", os responsáveis pela petição afirmam não desejar influir em qualquer decisão da Santa Sé, mas demonstram preocupação com a obrigatoriedade do celibato.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Plenária do Centro Sobralense de Pesquisa Ufológica


Dia 25 deste Será realizada a próxima reunião plenária do Centro Sobralense de Pesquisa Ufológica. Nesta reunião eu irei apresentar os casos de avistamentos de Óvnis ocorridos em Sobral e municípios vizinhos e dar a minha opinião pessoal sobre cada um deles. Muitos dos casos ufológicos dos quais tomamos conhecimento, não temos autorização por parte dos envolvidos, para divulgar alguns dados, inclusive os nomes. Mesmos sem darmos os nomes dos santos, falaremos dos milagres. O local de nosso evento será o Espaço de Vida Saudável da Herbalife, na Rua Francisco das Chagas Barreto de Lima, 146 no Parque da Cidade em Sobral-CE, bem próximo a rotatória do Bairro Coração de Jesus. De já agradecemos àqueles que ajudarem a divulgar a nossa reunião. A entrada é franca. Contamos com a participação de ufólogos e simpatizantes do fenômeno ufo, principalmente dos nossos companheiros do CSPU. Esses encontros servem principalmente para trocarmos informações sobre a casuística ufológica de nossa região, que é um dos objetivos do CSPU, fazer a divulgação do Fenômeno Ufo.
Abraço a todos
Jacinto Pereira
--
Por: Elenilton Roratto

Tremor na Nova Zelândia matou 102 e há mais de 220 desaparecidos

O número de mortos pelo terremoto em Christchurch, a segunda maior cidade da Nova Zelândia, subiu para 102, enquanto ainda há 228 pessoas registradas como desaparecidas, informou o ministro da Defesa Civil na sexta-feira (horário local).

"Temos 102 mortes confirmadas, e os nomes de quatro foram divulgados", afirmou John Carter a repórteres.

A polícia informou que provavelmente os mortos constituem algumas das pessoas dadas como desaparecidas, mas que não haverá uma confirmação até que as informações sejam cruzadas e checadas.

Carter disse ainda que não foram encontrados mais sobreviventes.

"O último resgate com vida que registramos foi na quarta-feira", acrescentou.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

SECRETARIA DE CULTURA DIVULGA AS OUTRAS BANDAS DO CARNAVAL 2011 DE CAMOCIM

Foto: Arquivo Camocim On Line

A Secretaria de Cultura e Desporto de Camocim, anunciou as atrações do carnaval 2011, que animarão os foliões nos cinco dias de folia, começando na sexta-feira, dia 04 e março, com a concentração dos blocos e desfile pela principais Ruas e Avenidas de Camocim, até o corredor da alegria.

Confira as Bandas que oficialmente tocarão em Camocim.

Banda Patrulha;

Paredão Mix

Chicana

Garota Safada

Axé brother

Phaphirô

Aline Jordão

Furacão do Forró

Banda Tribal

A Secretaria de Cultura e Desporto anuncia ainda que mais seis bandas serão contratadas para o Carnaval de Camocim, como também a Tenda Eletrônica do DJ Gil, que estará presente no Corredor da folia.

Escrito por: Marcelo Marques

Veículos longos ficam proibidos de transitar por estradas federais durante feriados nacionais

Christina Machado
Repórter da Agência Brasil
Brasília - A Coordenação-Geral de Operações do Departamento de Polícia Rodoviária Federal proibiu a partir de ontem (23) o trânsito de veículos longos nas estradas federais de pista única durante os feriados nacionais. A determinação foi publicada no Diário Oficial da União.
De acordo com a portaria, são considerados veículos longos as combinações de Veículos de Carga (CVC) – caminhões que puxam dois ou mais reboques – combinações de Transporte de Veículos (CTC) - caminhões-cegonha - e combinações de Transporte de Veículos e Cargas Paletizadas (CTVP) – veículos especiais que transportam cargas de dimensões diferenciadas como trator ou guindaste, mesmo com Autorização Especial de Trânsito (AET).
A medida tem o objetivo de dar fluidez e segurança ao trânsito de veículos nas estradas, que aumenta consideravelmente durante os feriados. O descumprimento da determinação constitui infração grave, prevista no Artigo 187 do Código de Trânsito Brasileiro, com punição de cinco pontos na carteira de habilitação e multa de R$ 127,69.
De acordo com o calendário oficial, os feriados são 1º de Janeiro (Ano Novo), 21 de Abril (Tiradentes), 1º de Maio (Dia do Trabalho), 7 de Setembro (Independência), 12 de Outubro (Dia de Nossa Senhora Aparecida), 2 de Novembro (Finados), 15 de Novembro (Proclamação da República) e 25 de Dezembro (Natal). São pontos facultativos o carnaval, que este ano cai nos dias 7, 8 e 9 de março, a Paixão de Cristo, em 22 de abril, Corpus Christi, em 23 de junho, e o Dia do Servidor Público, em 28 de outubro.

Dilma anunciará na próxima semana novo valor para o Bolsa Família

Luciana Lima
Repórter da Agência Brasil
Brasília – A presidenta Dilma Rousseff vai anunciar, no início de março, reajuste para o Programa Bolsa Família. O reajuste deverá ser anunciado no dia 1º, durante visita da presidenta ao município de Irecê, localizado a 478 quilômetros de Salvador, em pleno sertão da Bahia.
O valor do reajuste ainda não está definido, e a ministra de Desenvolvimento Social e Combate a Fome, Tereza Campello, terá ainda nesta semana reunião com a presidenta para bater o martelo sobre o novo valor do benefício.
O anúncio do reajuste vem sendo pensado no contexto de atividades relacionadas ao Dia Internacional da Mulher, comemorado no dia 8 de março. De acordo com dados do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, 93% dos usuários do cartão são mulheres. Por isso, o governo considera o programa importante para melhorar a situação econômica das mulheres.
A ministra Iriny Lopes, da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, órgão ligado à Presidência da República, fará parte da comitiva presidencial na viagem a Irecê, onde participará da abertura da Feira da Economia, organizada por um grupo de produtoras rurais do município.
O Bolsa Família foi reajustado pela última vez em setembro de 2009. Os valores pagos hoje pelo programa variam de R$ 22 a R$ 220, dependendo da quantidade de filhos e da renda de cada família beneficiada. O valor médio pago pelo Bolsa Família é R$ 94.
A Bahia é estado com maior número de famílias beneficiadas pelo programa de distribuição de renda lançado no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Dados deste mês indicam que 1,7 milhão de famílias baianas recebem o Bolsa Família. Em Irecê, mais de 7 mil famílias são atendidas pelo programa, que neste mês atingiu a meta de beneficiar em todo o país 12,9 milhões de famílias
O segundo estado em número de beneficiados é São Paulo, com 1,2 milhão de famílias. Minas Gerais vem em terceiro lugar, com 1,1 milhão de famílias.
Além de Irecê, a presidente deve ir a Salvador. Na viagem, a presidenta Dilma Rousseff poderá anunciar ainda obras de construção de um terminal de regaseificação da Petrobras, na Baía de Todos os Santos.

PREFEITO VEVEU REUNIU A IMPRENSA PARA ANUNCIAR O CARNAVAL.

O Prefeito de Sobral, José Clodoveu de Arruda (PT) reuniu hoje pela manhã, a imprensa sobralense para uma entrevista coletiva, além dos repórteres, vários diretores de Rádios de Sobral estavam presentes. Estava marcado para as 10hs, mas prá variar, só começou ás 11:35hs. O Prefeito momentos antes, esteve reunido com os Secretário da Cultura, SEPLAM, Secretario da Segurança do nosso Município,  além dos representantes da Policia Militar, Corpo de Bombeiros, Policia Rodoviária, Policia Civil, Ronda do Quarteirão.

Na coletiva - Veveu ressaltou a importância do regaste aos Carnavais tradicionais, principalmente o "Bloco dos Sujos", que este ano terá o Trio Elétrico de Armandinho, Dodô e Osmar, um dos trios tradicionais da Bahia, tidos como criadores do Trio Elétrico no Brasil. Sem dúvidas, será uma grande festa.

SEGURANÇA - Uma grande operação de segurança está sendo preparada para este dia, com a preocupação de dar total condições para que o folião possa brincar e ser feliz. Algumas medidas estão sendo tomadas no sentido de barrar os "paredões" que ficam funcionando no decorrer do percurso.

Por: Bené Fernandes

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Um resumo da situação no mundo árabe compilado pelo blog 2012 Um Novo Despertar

Líbia

O número de pessoas mortas em três dias de protestos contra o governo da Líbia já chegou a 84, segundo a organização internacional Human Rights Watch, com sede em Nova York. O principal foco das manifestações contra o líder líbio, Muammar Khadafi, foi a segunda maior cidade do país, Benghazi, onde 35 mortes foram registradas em apenas um hospital.
A mídia estatal advertiu sobre retaliações contra os críticos de Khadafi, que está no poder desde 1969.
Serviços de internet e energia elétrica foram cortados em algumas áreas do país após o início dos protestos. As forças de segurança líbias abriram fogo contra manifestantes em Benghazi na sexta-feira quando eles se aproximaram de um local usado pelo coronel Khadafi quando visita a cidade, localizada a cerca de mil quilômetros da capital, Trípoli.
Segundo relatos de órgãos de mídia e a contabilização da Human Rights Watch (HRW), o hospital Al-Jala, na cidade, recebeu os corpos de 35 pessoas mortas pela repressão aos protestos.
As manifestações líbias são parte da onda de levantes pró-democracia no mundo árabe e muçulmano, que já derrubou governantes na Tunísia e no Egito e se espalhou por países como Bahrein, Argélia, Iêmen e Irã. Mas analistas dizem que a situação no país é diferente da situação no Egito ou na Tunísia, porque Khadafi teria as grandes receitas com petróleo para conter os problemas sociais e tem uma alta popularidade em todo o país, apesar de ser menos popular na região de Cyrenaica, onde está Benghazi.
Tunisia

O ministro italiano do Interior, Roberto Maroni, fez essa sugestão em resposta ao que qualificou de "êxodo bíblico" que levou mais de 5,5 mil clandestinos a desembarcar desde a semana passada na ilha italiana de Lampedusa vindas da vizinha Tunísia.
O chanceler italiano, Franco Frattini, chega na noite desta segunda-feira a Túnis para se reunir com o primeiro-ministro interino Mohamed Ghannouchi, segundo um porta-voz da chancelaria em Roma. A Tunísia tenta restaurar a ordem depois da rebelião popular que depôs o ditador Zine el-Abidine Ben Ali há exatamente um mês.
Egito

A junta militar do Egito informou em comunicado nesta sexta-feira que não irá tolerar protestos que prejudicarem a economia do país e irá confrontá-los caso ocorram, informou a agência estatal Mena.

Foto: AFP

Exército egípcio patrulha ruas do Cairo, nesta sexta-feira

O Conselho Supremo das Forças Armadas avisou em um comunicado que alguns grupos "organizam protestos que prejudicam a produção e criam condições econômicas críticas que podem piorar a economia do país".
"A continuação da instabilidade e suas consequências prejudicarão a segurança nacional", completou. "O Conselho Supremo das Forças Armadas não permitirá a continuação desses atos ilegais que colocam a nação em perigo, e iremos confrontá-los e tomar medidas legais para proteger a segurança da nação", disse.
O Exército informou também que não permitirá que as greves continuem no país. Segundo os militares, em comunicado, as paralisações estavam prejudicando a economia.
'Marcha da Vitória'
Nesta sexta-feira também milhares de egípcios se reuniram na praça Tahrir, no centro do Cairo, para uma "marcha da vitória" convocada para celebrar a queda do líder Hosni Mubarak, que renunciou ao cargo de presidente há uma semana. "É uma festa, estamos muito felizes, Mubarak foi embora", disse Naser Mohamed, 50 anos, um dos manifestantes. "Acho que vamos voltar todas as semanas, todas as sextas-feiras".
A praça ficou cercada por tanques do Exército. Os soldados checavam a identidade dos manifestantes nos diferentes pontos de acesso ao local. Membros dos comitês populares também ajudavam no controle de segurança.
Mubarak renunciou ao cargo que ocupava há 30 anos após 18 dias de manifestações contra o seu governo. O anúncio da renúncia foi feito pelo vice-presidente egípcio, Omar Suleiman, horas depois de ser divulgada a notícia de que Mubarak e sua família tinham deixado a capital do país, Cairo, em direção à cidade egípcia de Sharm el-Sheik.
*Com AFP
Iemen

Manifestações antigoverno acontecem nesta sexta-feira em cidades de Iêmen, Líbia, Bahrein, Jordânia e Djibuti, onde milhares realizam protestos inspirados nas revoltas populares de Tunísia e Egito, que levaram à queda de presidentes que estavam no poder há décadas.
No Iêmen, opositores saíram às ruas pelo oitavo dia consecutivo na capital, Sanaa, e nas cidade de Taiz e Áden. Segundo a Reuters, ao menos quatro manifestantes morreram durante os protestos, que foram convocados pela internet e pedem a renúncia do presidente Ali Abdullah Saleh, no poder há 32 anos.
Em Taiz, a polícia usou gás lacrimogênio e atirou para cima para dispersar uma multidão que participava da chamada "Sexta-feira de Fúria". Uma granada foi lançada em direção a um grupo de manifestantes, deixando um morto e pelo menos oito feridos, segundo testemunhas. A granada teria sido lançada por um homem dentro de um carro.
Em Sanaa, a multidão marchou até o palácio presidencial e, no caminho, houve choques com partidários do governo, que deixaram ao menos quatro feridos. A polícia também usou gás lacrimogêneo e tiros para o alto na tentativa de dispersar a manifestação.
Jornalistas também foram alvos de ataque. Segundo um repórter da agência Associated Press, um grupo de homens armados com paus atacaram uma equipe de TV e destruíram um câmera. Vários fotógrafos também precisaram se refugiar em prédios vizinhos para evitar a confusão.
O presidente Saleh já fez algumas concessões aos manifestantes, como a promessa de deixar o poder em 2013 e não transferi-lo ao seu filho. Partidos de oposição aceitaram uma oferta de diálogo com o governo, mas manifestações espontâneas continuam ocorrendo.
Bahrein

No Bahrein, soldados lançaram gás lacrimogêneo e atiraram contra manifestantes que desafiaram a proibição a protestos determinada pelo Exército na quinta-feira. Segundo a agência AP, os confrontos deixaram ao menos 50 feridos. De acordo com a rede de TV CNN, ao menos quatro morreram.
Os choques começaram horas depois do enterro de dois homens mortos em protestos anteriores. Dezenas de milhares de pessoas compareceram aos enterros, muitos carregando cartazes e cantando slogans de oposição ao xeque Hamad bin Isa Al-Khalifa.

Foto: AP

Manifestantes protestam durante funeral de jovem na vila de Sitra, no Bahrein

Os caixões foram envoltos em bandeiras do país e levados em cortejo pelas ruas do bairro. A multidão presente gritava pedindo "justiça, liberdade e monarquia constitucional". Alguns disseram que estavam dispostos a sacrificar suas vidas para derrubar o governo.
Pouco depois, as preces de sexta-feira se converteram em mais uma oportunidade de protesto. Em uma mesquita, xiitas gritavam "vitória ao Islã" e morte à família real bareinita.
As pelo menos quatro mortes registradas nos protestos dos últimos dois dias elevaram as tensões no Bahrein. Demandas prévias por reformas constitucionais agora evoluíram para um pedido mais geral, pela remoção da dinastia sunita que governa o país há mais de 200 anos.
O príncipe herdeiro do Bahrein, considerado um reformista na monarquia do golfo árabe, pediu calma na sexta-feira, afirmando que está na "hora do diálogo, não de lutas". "O diálogo está sempre aberto e as reformas continuam", disse o príncipe herdeiro xeque Salman bin Hamad al-Khalifa à TV do Barein. "Essa terra é para todos os cidadãos do Bahrein... Todas as pessoas honestas devem dizer 'basta' neste momento
.
Jordânia


Na Jordânia, manifestantes antigoverno protestaram pela sétima sexta-feira consecutiva. Nas ruas da capital, Amã, cerca de dois mil estudantes, conservadores muçulmanos e ativistas de extrema esquerda pediram reformas constitucionais, mais liberdade e redução no preço dos alimentos.
Houve confrontos com cerca de 200 partidários do governo e oito manifestantes ficaram feridos. Opositores disseram que os governistas estavam armados com bastões, canos e pedras. "Eles nos bateram e nós tentamos nos defender, bater de volta", airmou o estudante Tareq Kmeil. "Os policiais não fizeram nada para nos proteger, apenas ficaram lá olhando."
A onda de protestos levou o rei Abdullah 2º a empossar um novo governo no início do mês. O gabinete agora é comandado pelo ex-general Marouf Bakhit, que prometeu ampliar as liberdades individuais.
Djibuti

A sexta-feira também foi de protestos no Djibuti, pequeno país do leste da África com cerca de 750 mil habitantes. Um opositor disse que autoridades usaram bastões e gás lacrimogênio para dispersas milhares de manifestantes que saíram às ruas para exigir a renúncia do presidente Ismail Omar Guelleh, que está no segundo mandato e disputará mais uma eleição em abril.
No ano passado, Guelleh mudou a Constituição do país, que determinava um limite de dois mandatos presidenciais. A família do líder está no poder no Jibuti há mais de três décadas.
Na eleição de 2005, Guelleh foi candidato único. Agora, um de seus potenciais adversários é Abdourahman Boreh, que vive em Londres mas já demonstrou seu apoio às manifestações contra o presidente.
Diversas bases militares estão localizadas no Djibuti, incluindo a única base americana na África.

Franco-atiradores matam 15 pessoas na Líbia

 

Franco-atiradores das forças especiais da Líbia atacaram neste sábado um grupo que estava reunido na segunda maior cidade do país, Benghazi, para lamentar a morte de 35 manifestantes na sexta-feira. Segundo um funcionário de um hospital local, 15 pessoas morreram no ataque, incluindo um homem aparentemente atingido por um míssil antiaéreo

Mais cedo, as forças de segurança atacaram um acampamento de manifestantes contra o governo em Benghazi, deixando mais mortos e feridos, segundo testemunhas. O grupo de direitos humanos Human Rights Watch, com sede em Nova York, estima que pelo menos 84 pessoas morreram em três dias de protestos, com base em informações de hospitais e testemunhas. As informações são da Associated Press.

Escolas terão cartilha contra preconceito sexual

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) disse que o Ministério da Educação vai preparar cartilhas contra o preconceito em relação à orientação sexual que serão distribuídas nas escolas. A informação foi dada durante evento com a ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) para o lançamento da "Marcha Contra a Homofobia" e do "Disque 100" para a população LGBT, na Casa das Rosas, em São Paulo. A ministra disse que a posição contra o preconceito é um posicionamento do governo Dilma.

Segundo a senadora, uma pesquisa realizada pela Fipe em 501 escolas públicas de todo o País, baseada em entrevistas com mais de 18,5 mil alunos, pais e mães, diretores, professores e funcionários, revelou que 87,3% das pessoas têm preconceito em relação à orientação sexual. Para ela, o objetivo da cartilha é expandir o conceito de aceitação da diversidade.

"É preocupante o preconceito e a violência. O Brasil retrocedeu em relação dez ou 12 anos." Marta comparou o Brasil à Argentina, dizendo que o país vizinho era mais avesso em relação à aceitação do homossexualismo e hoje legalizou o casamento entre gays. "E nós temos o espancamento de gays", disse, referindo-se a casos recentes de agressões na capital paulista. A senadora se diz confiante na aprovação do PL 122, contra a homofobia.

Selo - No evento de hoje foi lançado também um selo que será fixado em lugares onde ocorrem atos de discriminação. Um desses selos foi fixado hoje na calçada da avenida Paulista em frente ao número 777. No local, cinco jovens espancaram, em novembro do ano passado, um rapaz de 19 anos com uma lâmpada fluorescente. O adesivo, de forma arredondada, tem cerca de um metro de diâmetro.

G20 fecha acordo de indicadores para medir desequilíbrio global

Por Louise Egan e Julien Toyer

Ministros e presidentes de Bancos Centrais de países que integram o G20, durante reunião do grupo em Paris. 19/2/2011.REUTERS/Benoit Tessier

PARIS (Reuters) - Os ministros de Finanças das principais economias do mundo fecharam neste sábado um acordo paliativo para medir os desequilíbrios da economia global, depois que a China conseguiu evitar o uso de taxas cambiais e reservas monetárias como indicadores.

Christine Lagarde, ministra francesa de Finanças que presidiu a cúpula, disse que o acordo entretanto representa um passo significativo para aprimorar a coordenação das políticas econômicas ao redor do globo, no intuito de evitar outra crise financeira.

"As negociações foram francas, às vezes tensas, e conduziram a um compromisso final que não pode ser atribuído a nenhuma delegação em particular, mas que garanto representar um espírito de comprometimento e ambição", declarou ela em uma coletiva de imprensa.

Ministros e presidentes de Bancos Centrais concordaram com uma lista de indicadores que incluem dívidas públicas e déficits fiscais, poupança e empréstimo privados, a balança comercial e outros componentes do balanço de pagamentos, como os fluxo líquido de investimento.

Mas, por insistência da China, não houve menção à taxa de câmbio real nem às reservas de moeda estrangeira.

"As reservas foram deixadas de lado", disse Lagarde, acrescentando que o acordo contemplou um mecanismo para levar em conta as taxas cambiais quando da avaliação do balanço de pagamentos total.

Os Estados Unidos e outros países ocidentais acusam a China de manter o iuan artificialmente desvalorizado para impulsionar suas exportações e acumular grandes reservas de moeda estrangeira, que afirmam distorcer a economia mundial.

 

O secretário do Tesouro norte-americano, Timothy Geithner, repetiu depois das conversas que a moeda chinesa "continua substancialmente depreciada" e que sua taxa cambial real não se alterou muito apesar de sua lenta apreciação desde uma reforma em junho passado.

A segunda maior economia do mundo, que superou o Japão na semana passada, resistiu à pressão ocidental para revalorizar significativamente sua moeda para ajudar a reequilibrar o crescimento global.

O superávit comercial da China encolheu ultimamente, talvez explicando por que o país prefere essa medida.

Irã liberta dois jornalistas alemães detidos em outubro

Dois jornalistas alemães detidos no Irã desde outubro foram libertados, anunciou este sábado a agência oficial IRNA, e pouco depois chegou a Teerã o ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, para levá-los de volta ao seu país.  Foto:-/AFPTEERÃ (AFP) - Dois jornalistas alemães presos no Irã desde outubro foram libertados, anunciou neste sábado a agência oficial IRNA, acrescentando que o ministro das Relações Exteriores alemão Guido Westerwelle chegará a Teerã na noite deste sábado.

 

"Os dois acusados detidos em Tabriz foram liberados e voltarão ao seu país", disse a principal autoridade judicial da província iraniana do Azerbaijão Oriental.

A IRNA também informou que o ministro alemão deve desembarcar daqui a algumas horas na capital iraniana.

Os dois jornalistas foram detidos em Tabriz quando entrevistavam o filho e o advogado de Sakineh Mohammadi-Ashtiani, mulher iraniana cuja condenação à morte por apedrejamento mobilizou o mundo ocidental.

As autoridades iranianas acusam os dois alemães de não terem pedido autorização especial do ministério da Cultura, necessária para trabalhar no país.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Desafios para a democratização da informação ambiental no Brasil

Por Vilmar Berna*, do Portal do Meio Ambiente

Como financiar a informação ambiental que o público precisa mas não está disposto a buscar nem pagar por ela? E para quem quer e sabe onde buscar, a informação ambiental está disponível de verdade? E para quem recebe sem buscar, a informação ambiental tem sido de qualidade? Afinal, informação ambiental para que, e por quê? Afinal, existe ou não falta de democratização da informação ambiental no Brasil?
São algumas questões que merecem respostas numa sociedade que se pretende democrática e sustentável, pois o acesso à informação ambiental é fundamental para assegurar o fortalecimento da democracia e ajudar a sociedade a fazer escolhas melhores no rumo da sustentabilidade. Se a população não recebe informações ambientais em quantidade e qualidade adequadas, tenderá a reproduzir as mesmas escolhas que trouxeram a humanidade à beira de um colapso ambiental.
A existência ou não existência do acesso à informação ambiental no Brasil depende do observador. Existe uma diferença entre a informação que se busca, proativamente, e a informação que se recebe, passivamente. Para quem busca a informação ambiental e dispõe dos meios necessários, encontrá-la pode ser relativamente fácil. Entretanto, mesmo para esta parcela de público, que é incluída digitalmente, lê jornais e revistas, e tem um mínimo de conhecimentos de direitos e deveres ambientais, nem sempre a informação que se encontra é a que se quer. Como qualquer outra informação, a ambiental também não está livre da meia verdade, da mentira, da manipulação tendenciosa, da especulação, do exagero, da falta de base científica, do emocionalismo, etc.
Por exemplo, existem leis que asseguram o acesso da sociedade a informações ambientais legais, entretanto, conseguir tais informações não é nada fácil. Só querer e ter as condições e o acesso à internet não bastam. Se a intenção for obter informações, por exemplo, sobre licenças ambientais, TACs (Termo de Ajuste de Conduta), compensação ambiental, a dificuldade será enorme, e se quiser ir mais além, e obter informações sobre as condicionantes - onde estão listados os projetos e obrigações -, então a informação ambiental pode se tornar quase inacessível. Sem algum QI (quem indica) bem posicionado - coisa para poucos iniciados - , obter algumas informações ambientais estratégicas pode ser bem difícil. Às vezes surge uma janela de oportunidade de acesso a informações ambientais ocultas, quando algum insatisfeito de dentro da estrutura resolve criar dificuldade para vender facilidade. Nestes momentos, informações estratégicas podem se tornar acessíveis, mas assim que o ´criador de caso´ conseguir o acerto que procura, a informação irá desaparecer novamente. Existem licenças que chegam a ter mais de 100 condicionantes, e se a imprensa e a sociedade não conseguem acesso a esta informação, muito menos tem como saber o que foi ou não cumprido, e daí não tem como divulgar ou cobrar responsabilidades. Para quem tiver alguma dúvida, faca um teste, escolha uma única empresa e tente obter estas informações ambientais, e então compreenderá o quanto a democratização da informação ambiental no Brasil ainda é uma promessa. E se conseguir, tente descobrir, do que foi comprometido, o que foi efetivamente realizado, e descobrirá que a falta da democratização da informação ambiental não se dá por um acaso. E se eu estiver errado, receberei as críticas com prazer, pois significa que a informação ambiental passou a fluir como deveria para a sociedade.
Segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), entre janeiro de 2005 e outubro 2009, o IBAMA deixou de receber 99,4% do valor total das multas aplicadas contra crimes ambientais. Em quase cinco anos, foram R$ 14,6 bilhões não pagos por pessoas e empresas autuadas. Vivemos uma espécie de conto de fadas ambiental. As empresas dizem que cuidam direito do meio ambiente e que a imprensa só gosta mesmo é de notícia ruim. Então, é incompreensível que continuem sendo multadas, se andam tão certinhas... O IBAMA diz que é capaz de exercer o Poder de Polícia, que tem estrutura e competência para isso, e todo mundo acredita, mas não é o que o TCU anda constatando. E se falta estrutura e competência para multar direito e para cobrar dinheiro vivo das multas, que dirá para acompanhar o efetivo cumprimento dos compromissos assumidos nas condicionantes das licenças ambientais, ou em medidas compensatórias ou de ajustes de conduta. E se isso acontece no nível federal, imagine o que pode estar acontecendo nos Estados e Municípios!
O que assegura a continuidade do conto de fadas ambiental é exatamente a falta interesse, de recursos e de prioridade para a democratização da informação ambiental, logo, os problemas não são fruto do acaso, mas são escolhas deliberadas. O desgaste que pode haver para infratores e órgãos ambientais com a falta de transparência é amplamente recompensado pelos benefícios dessa mesma falta de transparência na informação ambiental, por que se a sociedade não sabe, então também não cobra. Já diz o ditado, o que os olhos não vêem o coração não sente!  Manter a imprensa e a sociedade organizada longe é uma maneira de se proteger e ganhar tempo. A falta de informação ambiental é o biombo onde algumas empresas e órgãos de governos se escondem da sociedade para fazer de conta que está tudo bem e assim continuarem em sua rota de apropriação da natureza.
Outro exemplo está nos relatórios de sustentabilidade das empresas. Mesmo nos melhores casos, não existe empresa cem por cento correta, nem se espera isso de ninguém, pois a perfeição é utopia presente apenas nos sonhos, nos ideais, nas promessas.  O problema é que os relatórios tenderão a divulgar o que acontece de bom e mascarar ou ocultar o que ainda não vai bem, e ainda tende a demonstrar como mérito próprio resultados ambientais que na verdade são obrigações em função de licenciamento ou termos de ajuste. A relação entre o que as empresas lucram retirando da natureza e o que devolvem na forma de projetos ambientais é absolutamente desproporcional. Alguém poderá dizer que isso é da natureza humana, e que mostrar o que vai mal é papel dos críticos. Entretanto, abre uma brecha enorme para a ficção literária, para palavras e promessas até bonitinhas, em papel reciclado, mas vazios de conteúdo e credibilidade. Quando uma empresa divulga, por exemplo, que reduziu em 30 por cento sua poluição, desperdício ou embalagens, na verdade confessa que repassa 70 por cento dos seus custos ambientais para a sociedade, enquanto segue capitalizando lucros. Informação depende de credibilidade, e isso se torna um problema para empresas responsáveis que fazem um trabalho sério, pois tenderão a ser niveladas com as demais, tornando seus relatórios no mínimo suspeitos. Não é à toa que as tiragens são limitadas, mais para o público interno e acionistas, e as empresas não convidem a mídia ambiental para seus lançamentos, muito menos a incluam em seus planos de mídia, para não correrem o risco de perguntinhas inoportunas e desagradáveis nessas horas quando tudo o que se espera é brilho e festa.
Quanto ao acesso da grande maioria da população brasileira à informação ambiental, este se limita ao interesse da mídia de massa pelo assunto que, importante que se diga, com o agravamento das mudanças climáticas, tem se dedicado bastante aos temas ambientais. Entretanto, existe uma tendência – sempre com as raras exceções -, de abordar o assunto mais pelo viés do paraíso perdido do qual fomos expulsos, ou da natureza exótica, violenta, e distante de nós, reforçando a idéia de como é bom estarmos separados da natureza, vivendo em cidades, pois assim também não temos de sentir culpa nem nos sentir ameaçados pelo que fizermos a ela. Ou então quando ocorre algum acidente ambiental. A prática demonstra que, assim que o problema deixa de ser visível, também tende a desaparecer das pautas. O mercado trata a comunicação como um negócio que só vale a pena se der lucro, então a informação ambiental estará presente na pauta enquanto der audiência ou vender jornais e revistas.
É preciso compreender a diferença entre a informação que o público quer - e que se dispõe a pagar por ela - da informação que ele precisa, e que nem sempre se dispõe a pagar para ter. A informação ambiental nem sempre é uma informação que o público se dispõe a pagar para ter. Uma rápida visita a qualquer banca mostrará a realidade. Existem publicações diversas sobre todos os assuntos, menos sobre meio ambiente, excetuando-se uma ou outra publicação sobre turismo e paisagismo. E, para o mercado, a solução é muito simples, se a sociedade não se dispõe a pagar pela informação ambiental, então ela não deve existir. Por outro lado, a falta de interesse do publico pela informação ambiental é compreensível, primeiro por que temos um leque de interesses muito mais amplo que só o ambiental, por que a vida é naturalmente complexa. Segundo, por que a informação ambiental nem sempre serve para entreter e mais incomoda que outra coisa, ao mostrar os abusos contra a natureza, denuncia a poluição e a agressão ambiental, questiona valores consumistas e desperdiçadores, e incomoda até mesmo quando mostra alternativas de tecnologias e atitudes, pois os que optaram por tecnologias e atitudes poluidoras e predatórias não poderão mais argumentar desconhecimento.
Para assegurar a existência e o acesso do público à informação ambiental, os governos deveriam assegurar políticas públicas e recursos, como, aliás, já fazem com a mídia de massa, através de mecanismos de repasse de verbas de publicidade. Mas os governos não são neutros e ainda estão muito mais comprometidos com um modelo de desenvolvimento comprometido com o gigantismo das escalas, com a exportação para gerar excedentes que equilibrem as contas, onde tradicionalmente a natureza teve e tem de ceder. A não ser no campo das idéias e das utopias, a sociedade brasileira ainda está longe de um modelo ambientalmente sustentável e socialmente justo de desenvolvimento, e naturalmente a informação ambiental reflete isso. Quanto mais crítica ela for, quanto mais apontar as contradições entre as práticas e as promessas, menos recursos e audiência terá de quem recebem as críticas. Entretanto, este é o seu papel, e por mais que não gostem de críticas, precisam delas para avançar e aumentar a velocidade das mudanças entre um modelo predatório e injusto de desenvolvimento e outro mais justo e sustentável.
Outra fonte de recursos deveria vir das empresas, entretanto, em vez de ajudar a financiar a informação ambiental, quando querem divulgar alguma coisa, preferem investir no envio de releases em massa na esperança de obter mídia ambiental espontânea. Mais ou menos como acreditar em almoço grátis ou em Papai Noel. Divulgação custa caro, é verdade, mais uma razão para não imaginar que uma mídia ambiental empobrecida vá dar de graça o que tem para vender! As empresas preferem editar folhetos ou publicações próprias, em ambiente controlado, onde não correm o risco de ser alvo de alguma crítica. E, para não se verem expostas a perguntinhas inoportunas sobre outros assuntos, contratam serviços de comunicação de terceiros e ocultam seus telefones e e-mails dos releases.
O tendão de Aquiles dos que negam recursos para a informação ambiental são os voluntários que conseguem manter a democratização da informação ambiental mesmo sem recurso algum, por que não se subordinam às regras do mercado, e teimam em oferecer a informação ambiental como uma espécie de apostolado ideológico, até mesmo para quem não quer pagar por ela. Claro que este trabalho voluntário tem limitações, sejam técnicas ou financeiras, mas ainda assim, presta um importante serviço de interesse público, onde o estado e a iniciativa privada estão falhando.
Como diz o ditado popular, sem povo não se cria nada de novo, por isso, o desafio pela democratização da informação ambiental continua mais desafiador do que nunca, tanto no sentido de falarmos uma linguagem que o povo entenda quanto encontrar os meios que assegurem que a informação ambiental possa ir além dos atuais nichos de publico especializado.

*Vilmar Sidnei Demamam Berna é escritor e jornalista, fundou a REBIA - Rede Brasileira de Informação Ambiental e edita deste janeiro de 1996 a Revista do Meio Ambiente (que substituiu o Jornal do Meio Ambiente) e o Portal do Meio Ambiente ( http://www.portaldomeioambiente.org.br/).  Em 1999, recebeu no Japão o Prêmio Global 500 da ONU Para o Meio Ambiente e, em 2003, o Prêmio Verde das Américas – http://www.escritorvilmarberna.com.br/

Montanha francesa é refúgio para quem crê no apocalipse em 2012

ReproduçãoA montanha rochosa de Bugarach, 1.220 metros acima das montanhas Corbières, numa das áreas mais pobres e menos povoadas da França, há muito tempo atrai pessoas que gostam de fazer caminhadas e amantes da natureza que buscam perambular por suas suaves inclinações na esperança de encontrar espécies raras de orquídeas. Porém, nos últimos anos, a beleza mística e o isolamento da montanha vêm atraindo uma variação menos comum de pessoas que gostam de fazer caminhadas. Os moradores os chamam de "esotéricos", pessoas que acreditam que o fim do mundo será no dia 21 de dezembro de 2012 - quando o ciclo de 5.125 anos do calendário maia supostamente se encerra.

Em dezembro, o prefeito de Bugarach, uma pequena vila ao pé da montanha no distrito de Aude, ao sul da França, alertou autoridades locais depois de ter lido em fóruns na Internet que essas pessoas que creem no apocalipse planejavam se refugiar no local em 2012. "Alguns sites americanos vendiam bilhetes para cá", disse Jean-Pierre Delord, o prefeito. "Somos 200 habitantes; não queremos 2.000, 3.000 utópicos aparecendo em Bugarach".

Alguns sites franceses e internacionais dedicados ao apocalipse alegam que a montanha de Bugarach é um local sagrado que irá protegê-los do fim do mundo. Alguns até creem que, no dia do juízo final, eles desaparecerão - graças a um grupo de alienígenas que mora sob a montanha.

Sigrid Benard, dona de uma hospedaria local que oferece quartos apenas no verão, disse ter recebido inúmeras ligações de pessoas que buscavam reservar quartos e caravanas do começo de dezembro de 2012 até o final de janeiro - inverno local. "Essas pessoas disseram que queriam vir três semanas antes do apocalipse, reservando também a semana seguinte, para ver o que acontece".

Muitos habitantes locais, incluindo o prefeito, não querem ver Bugarach se transformar num porto seguro para pessoas que ele chama de "lunáticos que acreditam no apocalipse". Eles apontam uma presença crescente de "esotéricos", que se estabeleceram em Bugarach ao redor do ano 2000, atraídos pela tranquilidade, baixo valor dos imóveis e história da região. "Hoje, elas constroem pousadas e organizam terapias coletivas", completa.

 

Um dos esotéricos é um ex-professor chamado Jean. Usando calça de linho no inverno, ele parece um novo hippie. Jean recentemente se estabeleceu numa cabana na floresta perto de Bugarach, na esperança de construir o que ele chama de "civilização do coração". "O apocalipse em que acreditamos é o fim de certo mundo e o começo de outro, um novo mundo espiritual", disse Jean, recusando-se a informar o sobrenome devido à crescente controvérsia local. "O ano 2012 é o fim de um ciclo de sofrimento", disse.

Para outras pessoas em toda a França, Bugarach não é apenas uma vila singular com uma montanha. "Todos nós sabemos que os alienígenas estão ali há milhares de anos", disse Paul Ponssot, dono de uma loja de livros parisiense especializada em literatura esotérica. "Eles podem ser as forças que nos ajudarão a atravessar 2012".

Na pequena cidade, até os visitantes mais pragmáticos reconheceram a atmosfera especial do lugar, silenciosa e vibrante. "Bugarach é como a Califórnia nos anos 60", disse Didier Gromaire, assistente social de Chambery que passou três meses em Bugarach no ano passado. "As coisas parecem mais claras aqui; quando você chega, sente que é o começo de uma nova vida".

Bugarach e redondezas ainda trazem traços significativos de seitas e ordens religiosas medievais, incluindo os cathares, que construíram incríveis castelos por perto. A alguns quilômetros do local está a vila de Rennes-le-Chateau, cujos supostos tesouros escondidos inspiraram muitos escritores internacionais, incluindo Dan Brown, autor de "O Código Da Vinci".

O pico de Bugarach há muito tempo é chamado de "montanha sagrada"; geólogos afirmam que, logo depois que a montanha foi formada, ela explodiu - e o topo veio abaixo. Também diz-se que a montanha inspirou autores franceses, como Jules Verne em "Jornada ao Centro da Terra", além de cineastas americanos como Steven Spielberg em "Contatos Imediatos de Terceiro Grau".

Vários relatórios que circulam na Internet até sugerem que o ex-presidente François Mitterrand tenha visitado o pico de helicóptero, que muitas vezes havia um halo de nuvens em forma de espaçonave ao redor do pico, e que os aviões nunca voam acima da montanha devido a supostas ondas magnéticas.

"As pessoas constroem todo um mito ao redor do magnetismo da montanha", afirmou Jean-Luc Lamotte, 60 anos, empresário aposentado que possui uma casa nas redondezas. Alguns moradores dizem que às vezes veem grupos de pessoas, com os braços cruzados em forma de X, escalando o pico com imagens da Virgem Maria nas mãos.

Ismo Nykanen, jornalista finlandês que se estabeleceu em Bugarach com a família há alguns anos, disse ter visto uma vez vários grupos de pessoas, algumas vestidas de branco, outras nuas, carregando uma bola e um anel dourado sustentado por um fio. "Eles ficam aqui vários meses durante o verão, em trailers acampados na base do pico", disse Nykanen. Sua filha adolescente, Elsa, disse ter visto um caminhão com uma mensagem escrita com spray na porta: "Suicídio coletivo: Bugarach 2012".

Cristina Breiner é dona de uma hospedaria na vila de Rennes-les-Bains, ali perto. Recentemente ela compareceu a uma reunião de esotéricos locais, trazida por uma amiga. "Eles se vestem como pessoas normais e acreditam fortemente que alguém do céu está lhes enviando mensagens", disse Breiner.

O prefeito Delord está tentando descobrir como reduzir o fluxo de utópicos para a região, especialmente com a proximidade do apocalipse.

Num país onde o governo lista pelo menos 30 movimentos que pregam o momento do fim do mundo, as principais preocupações de prefeito não são abstratas. "Se acontecer como no filme do Spielberg, será preciso chamar o exército", explicou Delord.

Tradução: Gabriela d'Ávila c.

2011 New York Times News Service

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Instalada a Frente Parlamentar da Pesca na Câmara dos Deputados

O deputado federal José Airton foi eleito Secretário Geral da Frente Parlamentar da Pesca e Aqüicultura na Câmara dos Deputados. A reunião foi presidida pelo presidente da Frente deputado Cleber Verde (PRB/MA). A reunião definiu toda a Mesa Diretora e Conselheiros, o encontro aconteceu nessa quarta-feira (16). A Frente possui mais de setenta senadores e 328 deputados inscritos teve o Estatuto da Pesca aprovado por unanimidade, na Câmara dos Deputados.

Mesa Diretora da Frente Parlamentar da Pesca

  • Presidente – Deputado Cleber Verde (PRB/MA);
  • 1°Vice-Presidente – Deputado Odacir Zonta (PP/SC);
  • 2° Vice-Presidente – Deputado Gorete Pereira (PR/CE);
  • 3° Vice-Presidente – Deputado Silas Câmara (PSC/AM);
  • 4° Vice-Presidente – Deputado Jhonatan de Jesus (PRB/RR);
  • Secretário Geral – Deputado José Airton Cirillo (PT/CE);
  • 1°Secretário – Deputado Wandenkolk Pasteur Gonçalves (PSBD/PA);
  • 2°Secretário – Deputado Zé Silva (PDT/MG);
  • 3° Secretário – Senadora Vanessa Grazziontin (PCDOB/AM);
  • 1°Tesoureiro – Deputado Marçal Filho (PMDB/MS);
  • 2° Tesoureiro – Deputado Agnolin (PDT/TO);
  • Coordenadores Regionais:

1. Região Nordeste – José Wellington Roberto (PR/PB);

2. Região Norte – Senador Flexa Ribeiro (PSDB/PA);

3. Região Sul - Luci Teresinha Choinacki (PT/SC);

4. Região Sudeste – Marcelo Matos (PDT/RJ);

5. Região Centro-Oeste – Marçal Filho (PMDB/MS)

Claudia Vidal - Jornalista: DRT 6203/PR

(85) 9973.1203 

Assessoria de Imprensa

Deputado federal José Airton Cirilo (PT/CE)

Cid Gomes, o da avião, acha que não deve satisfação a ninguém

O governador do Ceará, Cid Gomes, não quis comentar a informação de que viajou de férias aos Estados Unidos num jatinho de Alexandre Grandene, empresário com muitos negócios no Ceará. A Folha Online volta a publicar uma reportagem um tanto estranha a respeito. Leiam o que escreve Luís Carlos de Freitas. Volto em seguida:
*
O governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), não confirmou nem negou, nesta quarta-feira, que tenha viajado de férias aos Estados Unidos, em janeiro, no jato particular do empresário Alexandre Grendene, dono de uma das maiores indústrias de calçados no País. A informação foi divulgada pela revista “Veja” desta semana. A empresa recebe benefícios fiscais do governo cearense.

“Não vou comentar especulação da imprensa, nem falar de minha vida pessoal. De 19 a 29 de janeiro, eu estava de férias e não devo satisfação sobre minha vida particular. Se tiver alguém ou algum deputado fazendo qualquer acusação, que faça a denúncia”, falou Cid, após uma reunião com o presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli, em Fortaleza.

A Grendene doou R$ 1,2 milhão para a campanha do governador à reeleição em 2010. “Tenho amizade com o Alexandre há 15 anos, mas isso não favorece a empresa dele em nada”, falou Cid. Na terça-feira, o deputado estadual Heitor Ferrer (PDT), de oposição a Cid no Ceará, encaminhou requerimento à Assembléia cobrando explicações do governador.

“Quero apenas que ele fale a verdade. Não estamos especulando nada”, disse. O documento deve ir para votação no plenário amanhã. A empresa informou que não iria comentar o assunto e que, se houve empréstimo de uma aeronave, foi do avião particular do empresário.

Comento
Comecemos pelo óbvio: se o empresário Alexandre Grandene não tivesse cedido o avião a Cid Gomes, por que ele nem confirmaria nem negaria? Tenham paciência, né? O silêncio confirma. Mas isso nem seria necessário. Cid viajou, sim! Ele e o dono do avião sabem disso.

Cid Gomes deve ter esquecido que continua governador de Estado mesmo quando está de férias, ainda que seu vice assuma as funções executivas inerentes ao cargo. Analisemos a sua fala:
“Não vou comentar especulação da imprensa, nem falar de minha vida pessoal.”
Especulação uma ova! Trata-se de um fato. Ter à disposição o avião de um empresário que recebe benefícios no Estado não é questão que diga respeito à vida pessoal.

“De 19 a 29 de janeiro, eu estava de férias e não devo satisfação sobre minha vida particular.”
Deve, sim! Se um governador, presidente ou prefeito comete ato de improbidade administrativa, pouco importa se está de férias ou não.

Cid e a Grandene pretendem transformar tudo em mera questão privada. No caso do governador, a resposta vem acompanhada daquela prepotência muito típica da família política Gomes…

Lei da Improbidade Administrativa neles!

Por Reinaldo Azevedo

Vídeos mostram suposto óvni em Israel e geram polêmica na internet

Ana Cárdenes.

 

Jerusalém, 16 fev (EFE).- Dois vídeos de um suposto objeto voador não identificado (óvni) suspenso sobre a Esplanada das Mesquitas de Jerusalém causaram indignação na internet, com milhões de acessos e um polêmico debate sobre a chegada de extraterrestres à Terra Santa.

As imagens mostram quando uma bola de luz branca desce lentamente sobre a Esplanada das Mesquitas (terceiro lugar mais sagrado para o Islã), sobrevoa por cerca de dez segundos a dourada Cúpula da Rocha e volta a subir ao espaço em grande velocidade.

"Entregamos os dois vídeos a um laboratório e não queremos nos pronunciar sobre a veracidade do material até que tenhamos os resultados", disse à Agência Efe o porta-voz de uma associação israelense de pesquisa de óvnis.

Ele ressaltou que "as imagens foram feitas de diferentes pontos da cidade por duas pessoas desconhecidas e que não têm qualquer relação". A suposta aparição do óvni ocorreu na madrugada de 28 de janeiro. Veja os vídeos:

Os vídeos foram disponibilizados pouco depois no "YouTube" e geraram diversas reações. Enquanto alguns os tacharam de falsos, outros disseram que são a prova de que há vida fora da Terra.

Alguns estudiosos de fenômenos sobrenaturais garantiram que chegou a existir, inclusive, um "contato", já que seres desconhecidos teriam enviado um "raio comunicador" com uma mensagem cifrada aos terráqueos.

"Recebemos muitas ligações. O fato gerou muito nervosismo, alguns têm medo, outros estão eufóricos. Três pessoas confirmaram que também avistaram o óvni, embora não o tenham filmado", garantiu o especialista.

O primeiro vídeo, de pouco mais de dois minutos, foi gravado de Armon Hanatziv (ao sul de Jerusalém) por Elyigal Gedaliyovich, um fotógrafo israelense de 42 anos que passeava com um amigo para registrar imagens de um projeto no qual está trabalhando.

Quando foi surpreendido pelas luzes do óvni, se apressou para ligar a câmera e registrar o que via, declarou ao jornal "Yedioth Ahronoth".

Sua voz de surpresa ao comentar com seu amigo sobre o que via também aparece na gravação. Ele dizia: "Que é essa luz? Está proibido voar ali. Será que é um helicóptero militar?", disse, enquanto o outro respondeu que parecia "uma bola de luz" e que o objeto estava "descendo".

Gedaliyovich, quem afirma já ter visto óvnis no passado, embora não os tenha conseguido registrar, diz que está "claro que existem óvnis, mas em Israel ninguém presta atenção".

O segundo vídeo foi gravado por turistas americanos com um telefone celular mais perto da Esplanada das Mesquitas e nele é possível ouvir suas vozes, que identificaram o objeto como uma nave com seres de outro mundo.

O porta-voz da associação de pesquisa de óvnis declarou que "se as imagens não são reais a verdade é que a falsificação é perfeita e, se são verdadeiras, então se trata de um fato muito importante pelo lugar exato onde ocorreu", apesar de ainda não se saber o que isso poderia significar.

A estes vídeos seguiram outros, vários que tentam demonstrar a manipulação das imagens dos dois primeiros, mostrando, por exemplo, a exagerada intensidade do brilho e a falta de reflexos.

Outras gravações, divulgadas mais tarde para tentar corroborar a suposta visita extraterrestre, foram tachadas de "claramente falsas" por boa parte dos internautas.

Veja os vídeos neste site:

http://br.noticias. yahoo.com/ s/16022011/ 40/saude- videos-mostram- suposto-ovni- israel.html

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Novos Secretários

Veveu Arruda reúne a imprensa pela primeira vez e anuncia sua equipe de trabalho

Na manhã desta quarta-feira, 16, o prefeito de Sobral, Veveu Arruda, reuniu a imprensa sobralense para anunciar os nomes dos novos secretários municipais que, ao seu lado, comandarão os destinos de Sobral até dezembro de 2012.
No que seria um coletiva apenas para a imprensa, muitas lideranças comunitárias, alguns secretários e vereadores, além de funcionários das diversas secretarias que funcionam no Paço Municipal, ávidos para saber se haveriam mudanças e se os comentários e "achismos" espalhados tinham fundamento, lotaram o hall do 5º andar, onde Veveu bastante descontraído anunciou sua equipe.

Chefe de Gabinete do Prefeito

Luís Edésio Solon

Procuradoria Geral do Município

José Clito Carneiro

Secretaria de Educação

Prof. Júlio César Alexandre

Secretaria da Infra Estrutura

Raimundo Irismar de Azevedo Filho

Secretaria de Planejamento Urbano e Meio Ambiente

Maria Juraci Neves Duarte

Secretaria da Gestão

José Anastácio de Lima (foto)

Secretaria de Saúde e Ação Social

Carlos Hilton Soares

Secretaria de Agricultura e Pecuária

Luiza Lúcia da Silva Barreto

Secretaria de Cidadania e Segurança Social

Inspetor Jorge Vasconcelos Trindade (foto)

Secretaria de Cultura e Turismo

Antônio Carlos Campelo Costa

Secretaria Adjunto de Cultura e Turismo

Raimundo Nonato Aragão

Secretaria da Tecnologia e Desenvolvimento Econômico

Pedro Aurélio Ferreira Aragão

Secretaria de Esportes e Juventude

Francisco Hermenegildo de Sousa Neto
Ouvidoria Municipal (?)
Luís Fernando Viana Coelho

 

Os detalhes do anúncio

- Os secretários adjuntos já anunciados são: Eugênio Pacelli (Esportes e Juventude), Gutemberg Rios (SPLAM), Djalma Gomes (Gestão). Os demais serão anunciados no decorrer da semana, mas Veveu Arruda já avisou que as mudanças serão pontuais.

- A secretaria de Governo foi extinta. Seu titular, Luiz Fernando Coelho passará para um novo cargo a ser criado, e que estão chamando provisoriamente de Ouvidoria Municipal. A Secretaria de Habitação e Saneamento foi extinta. A área de Habitação vai para a tutela da SPLAM, e a de Saneamento Ambiental vai para a Infra-estrutura.

- Edson Silva continua a frente do SAAE, e Jiovânia Aragão a frente da Fundação de Ação Social. Os titulares da AMMA e da Imprensa Oficial ainda não foram anunciados.

- Com a ida de Hermenegildo para a Secretaria de Esportes e Juventude, o primeiro suplente de vereador José Maria Félix assume cadeira na Câmara Municipal. Veveu Arruda resolve dois problemas: acaba com o acirramento das discussões entre Hermenegildo e João Alberto, e ainda ganha um grande tribuno a favor dos interesses da Prefeitura na Casa do Povo.

- Quase sempre muito emotivo Veveu Arruda foi as lagrimas ao comentar sobre o inicio das mudanças verificadas em Sobral no longínquo ano de 1982. Quando naquela época foi diversas vezes ameaçado de morte pela sua luta, junto com outros sobralenses, para tirar o poder das mãos das famílias Prado e Barreto.

- Nenhum nome ganhou tanto reconhecimento do público presente como o anuncio do comandante da Guarda Municipal, Inspetor Jorge Trindade, agora ungido ao posto máximo da segurança pública em nossa cidade.

- Pela sua amplitude de atuação, a SPLAM poderá ganhar nova nomenclatura e estrutura, passando a ser chamada de Secretaria das Cidades.


- Nesta quinta-feira, 17, às 8hs da manhã, Veveu Arruda reúne pela primeira vez sua nova equipe. Será o inicio efetivo de sua gestão.

Por Rubens Lima

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Chinês passa quatro anos com lâmina de faca na cabeça

Um chinês foi ao médico reclamando de dores de cabeça e gosto ruim na boca. Quando foi examinado, descobriu uma lâmina de faca cravada em seu crânio após quatro anos.

Li Fu, 37 anos, não sabia que carregava a parte de uma faca em sua cabeça e foi ao médico. Os médicos disseram que o objeto foi cravado em sua cabeça, durante um assalto em 2006, quando Fu ainda trabalhava como taxista. A polícia prendeu o suspeito pelo crime e apreendeu o cabo da faca, mas não imaginava que a lâmina estaria na cabeça da vítima.

O cirurgião Luo Zhiwei, que atendeu o paciente, disse jamais ter visto em sua carreira algo tão estranho como isto. Para o médico, era para Fu está morto e afirmou: 'Isto é um milagre da medicina. A faca estava praticamente intacta quando a removemos'.

Li Fu continua internado no Hospital da cidade de Yu Xi, província de Yunnan, China, e se recupera bem da cirurgia.

Veja abaixo o raio-x e a foto do tamanho da lâmina.

Foto: Daily Mail

Foto: Daily Mail

*Com informações do Daily Mail

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Países gigantes, potências tardias

Por Mario Osava, da IPS

Rio de Janeiro, Brasil, 15/2/2011 – Há duas décadas, a ameaça à primazia econômica mundial dos Estados Unidos era o Japão, que se diluiu antes de ingressar neste século. Agora, os novos campeões do crescimento, China e Índia, sugerem que o tamanho da população se converteu em fator decisivo. Os dois países emergentes mais populosos do mundo ganharam voz e protagonismo no cenário internacional, a ponto de tentarem ter uma identidade grupal, como é o Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), apesar de seu desenvolvimento e história totalmente diferentes.
O peso deste quarteto de nações não era, na época, proporcional diante de seu escasso poder econômico e político, com exceção da Rússia quando liderava a União Soviética, em comparação com a projeção internacional de países como França, Grã-Bretanha e Itália, com cerca de 60 milhões de habitantes cada um, um terço da população brasileira e um vigésimo da chinesa.
Agora essa “convergência” entre os poderosos países industrializados e os grandes do mundo em desenvolvimento deverá se acentuar com a continuação do ciclo de maior crescimento dos emergentes, prevista pelo Banco Mundial e por outras instituições, disse o brasileiro Claudio Dedecca, professor da Universidade de Campinas e pesquisador em Economia do Trabalho. A igualdade entre esses países diminui, mas restam “os desequilíbrios internacionais de forma diferente”, explicou, após lamentar a sorte da África, com esses problemas ainda sem rumo de solução, ao contrário de América Latina e Ásia.
Muitos países africanos estão entre os que mais crescerão economicamente nos próximos anos, segundo as previsões, e isso será devido aos investimentos da China e às vendas que os africanos fazem de produtos primários, em um comércio desequilibrado que também afeta o Brasil. Este país, China e Índia se beneficiam de sua enorme população porque adotaram políticas que “combinam desenvolvimento do mercado interno e inserção internacional” para um crescimento acelerado, disse Claudio.
Nos anos 1980 e 1990, a hegemonia do que Claudio chama de pensamento conservador e a economia-cassino, “havia desacreditado a importância do mercado interno”, cujo potencial aumenta em países de população gigante e baixo nível de consumo. O trabalho também se tornou “preponderante” depois do desprezo anterior, acrescentou. A liberalização comercial das últimas décadas favoreceu esse processo ao promover o deslocamento das indústrias em busca de mão-de-obra barata e abundante, como a chinesa e a indiana, e a escala de produção permitida pelos imensos mercados internos.
A menor proteção nos mercados nacionais acentuou a competição internacional, forçando as empresas a reduzirem custos, pelas migrações ou pressionando seu próprio país para flexibilizar as leis trabalhistas, baixar os tributos, os salários e os direitos sociais, reconheceu Claudio. A pressão “se dilui” quando a economia cresce, ressaltou. Esta migração para custos menores, por exemplo, contribui para o desenvolvimento do Nordeste, região mais pobre do Brasil e onde mais cresce o produto industrial ultimamente, devido à atração de empresas intensivas em trabalho. Os trabalhadores locais já não partem, como antes, em busca de empregos em outras partes do país.
Também o Paraguai se beneficia do alto custo da energia e da mão-de-obra no Brasil. Muitas indústrias estão se mudando para o país mais pobre do Mercosul, que ambos compartilham com Argentina e Uruguai, atraídos por sua ampla oferta de eletricidade barata e salários menores. Este é um processo recente. O auge japonês se destacou no final do Século 20 com a tecnologia, a indústria e marcas de qualidade, a gestão eficiente e a obsessão educacional.
Os veículos e bens econômicos produzidos no Japão invadiam todos os mercados, seus relógios digitais Seiko, Citizen e Orient destronaram a imagem de precisão suíça e suas máquinas fotográficas se tornaram onipresentes. Sony, Toshiba, Toyota, Honda, Nikon, Canon e muitas outras marcas conquistaram a preferência de consumidores em todo o mundo. Além disso, na esteira japonesa surgiram os “tigres asiáticos”, fortalecendo a bacia do Pacífico como novo eixo central da economia global.
Isso confirmava, ao que parece, as opiniões que apontavam a tecnologia como o principal fator do desenvolvimento, acima dos recursos naturais e da maior população. O Japão, carente de matérias-primas, especialmente petróleo, conseguiu manter um forte crescimento econômico mesmo após a crise desse combustível na década de 1970. O país acumulou também um poder financeiro que permitiu que estendesse seus tentáculos pelo mundo.
Seus investimentos externos aumentaram de US$ 85 bilhões para US$ 300 bilhões entre 1985 e 1990. Em 1989, a Sony adquiriu a gigante do cinema, a Columbia Pictures, e a Mitsubishi comprou o Rockfeller Center, em Nova York, em um desafiador golpe simbólico à hegemonia norte-americana. A essa altura, no entanto, o Japão já havia selado sua queda, ao aceitar valorizar sua moeda, o iene, em relação ao dólar, em um acordo assinado em 1985 com quatro potências ocidentais.
Agora, a China se nega a repetir esse “erro”, enquanto o Brasil luta para atenuar o fortalecimento de sua moeda, o que tira competitividade de seus produtos industriais, especialmente diante dos chineses. Ainda assim, o Brasil conseguiu criar 15 milhões de novos empregos nos últimos oito anos, ampliando seu mercado interno também com aumentos reais do salário mínimo e programas sociais que tiraram da pobreza 28 milhões de pessoas. Gerar empregos também é uma obsessão da China atualmente, inclusive no exterior, onde seus investimentos são feitos com numerosa participação de trabalhadores desse país. Na Índia, estima-se ser necessária a criação de 200 milhões de postos de trabalho nos próximos 20 anos para absorver os jovens.
Com seu crescimento, esses três países, que somam 40% da população mundial, destacam um passado que dissociava tamanho e economia. Apenas em meados do Século 20 teve fim a era na qual nações pequenas, como Bélgica, Holanda e Portugal, dominavam países e territórios muito mais extensos. Porém, era latente a tendência de predomínio de Estados grandes, da qual “talvez a disputa entre Estados Unidos e União Soviética tenha sido o primeiro capítulo” e a Zona do Euro uma resposta, disse o sociólogo Willian Nozaki, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e doutorando em Desenvolvimento Econômico.
O crescimento econômico de Brasil, China e Índia pode ser considerado uma continuação desse processo, mas são casos distintos e mantêm “relações assimétricas” entre eles, com o Brasil exportando quase unicamente matérias-primas para esses sócios asiáticos, alertou Willian. China e Índia possuem parques produtivos inovadores e complexos e estimularam avanços industriais e tecnológicos, destacou. Os países com territórios e populações grandes tendem a se sobressair na economia internacional contemporânea, mas “o lugar de cada um dependerá de como se posicionarem regionalmente, além da força de suas moedas e suas armas”, concluiu o pesquisador. Envolverde/IPS

(IPS/Envolverde)

Fórum Social Mundial discute os novos caminhos para o futuro da humanidade

Por Reinaldo Canto*

 

 

 

 

 

 

 

De

Davos na Suíça para Dacar no Senegal. Do frio congelante da Europa, para o calor escaldante da África. Essas são algumas, mas certamente não as maiores diferenças entre o Fórum Econômico Global encerrado na semana passada e o Fórum Social Mundial que está sendo realizado nestes dias. Elas, sem dúvida, vão muito além de questões geográficas e climáticas.
Ambos os encontros tem a nobre missão de discutir, refletir sobre atuais e futuros caminhos para a humanidade. E, terminam aí as suas semelhanças. Davos teve como protagonistas as cerca de 2.500 lideranças empresarias, executivos representantes do poder econômico mundial. Já o fórum de Dacar terá em torno de 100 mil participantes representantes de uma gama variada de etnias, ideologias, culturas, religiões, enfim de uma enorme diversidade que compõe boa parte da sociedade civil planetária. Um espaço aberto de discussão heterogêneo, plural e participativo.
Palco da pluralidade

 


O Fórum Social Mundial tem sido palco em suas diversas edições, de uma série de propostas que colocam o ser humano no centro do processo. São propostas e caminhos que tem em comum, o fato de colocar a economia a serviço do homem e não o homem a serviço da economia.
Entre as reflexões que definem o fórum está a busca por organizar a sociedade de uma maneira que ela seja capaz de atender as necessidades humanas. Daí vem o slogan sempre presente nesses encontros da construção de, “um outro mundo possível”. Do desenvolvimento de projetos alternativos para um novo modelo civilizatório.

Exemplos

 



Vale destacar, como exemplo, algumas das discussões que fazem parte do fórum nesses dias:
Princípios para um novo paradigma de civilização,  que tem como objetivo superar as rupturas com a biosfera criando as condições para harmonizar as necessidades de sustentabilidade do planeta com as necessidades de desenvolvimento. Colocar na mesma agenda, o impulso as forças produtivas ao lado da implementação de justiça social, ética, integridade e transparência.
Diálogo, articulação e construção de plataformas de ação, na busca por uma nova relação entre governos e sociedade civil. Uma nova cultura política baseada na ética, transparência, horizontalidade e compartilhamento do conhecimento.
A crítica contundente é outro aspecto marcante do Fórum Social Mundial. Um painel denominado Críticas aos ideais civilizatórios de crescimento e progresso, afirma que o atual modelo de desenvolvimento e crescimento

 

desordenado é responsável por destruições, exclusões e desigualdades. Pelos problemas climáticos e a agressão aos limites do planeta.  Um modelo que valoriza mais o “ter” do que o “ser”.
Chama ainda a atenção propostas polêmicas como a de crescimento zero que visa antes do puro e simples crescimento econômico, a redução da pobreza, das desigualdades e a busca por melhorias na qualidade de vida das pessoas. 
FSM: Rico, plural e democrático

Independentemente dos resultados obtidos no curto prazo, o Fórum Social Mundial é um espaço onde ocorrem momentos inspiradores capazes de trazer à tona, questões importantes sobre o papel a ser desempenhado por governos, empresas e sociedade civil.  Papel que deve levar em conta, acima de tudo, a valorização da diversidade humana baseada em visões de mundo diferentes.
*Reinaldo Canto é jornalista, consultor e palestrante. Foi diretor de comunicação do Greenpeace e coordenador de comunicação do Instituto Akatu. É colunista de Carta Capital e colaborador da Envolverde.
**Artigo publicado originalmente na coluna Cidadania & Sustentabilidade: http://www.cartacapital.com.br/destaques_carta_capital/a-vez-da-sociedade-civil

Atenção pilotos

A antena da TV Jangadeiro localizada na rua Cel. Antônio Mendes Carneiro no centro de Sobral, está com a luz vermelha de sinalização apagada. \como está é um risco para pilotos que voarem muito baixo. Até porquê, bem próximo fica a antena da Telemar e está acesa, corre-se o risco de se olhar para a que está sinalizada e esquecer que existe outra muito próxima, a que está apagada.

Por: Jacinto Pereira

Próxima plenária ufológica

Evento Revista UFO

Dia 25 deste Será realizada a próxima reunião plenária do Centro Sobralense de Pesquisa Ufológica. Nesta reunião eu irei apresentar os casos de avistamentos de Óvnis ocorridos em Sobral e municípios vizinhos e dar a minha opinião pessoal sobre cada um deles. Muitos dos casos ufológicos dos quais tomamos conhecimento, não temos autorização por parte dos envolvidos, para divulgar alguns dados, inclusive os nomes. Mesmos sem darmos os nomes dos santos, falaremos dos milagres. O local de nosso evento será o Espaço de Vida Saudável da Herbalife, na Rua Francisco das Chagas Barreto de Lima, 146 no Parque da Cidade em Sobral-CE, bem próximo a rotatória do Bairro Coração de Jesus. De já agradecemos àqueles que ajudarem a divulgar a nossa reunião. A entrada é franca. Contamos com a participação de ufólogos e simpatizantes do fenômeno ufo, principalmente dos nossos companheiros do CSPU. Esses encontros servem principalmente para trocarmos informações sobre a casuística ufológica de nossa região, que é um dos objetivos do CSPU, fazer a divulgação do Fenômeno Ufo.
Abraço a todos
Jacinto Pereira

Paraíso litorâneo vive guerra de traficantes

 
Clique para Ampliar

A noite alegre e descontraída esconde a avidez do turista pela droga de baixo custo e fácil de acesso. Aliada a essa prática, o sexo liberado e crime contra o patrimônio já alertam as autoridades para a crescente degradação de Jijoca de Jericoacoara
FOTOS: VIVIANE PINHEIRO

Clique para Ampliar

Na mistura de público, não há controle de acesso para jovens com idade inferior a 18 anos. Ali não se conta com juiz de menores

Clique para Ampliar

Tradição do forró é mantida, mas o policiamento é limitado, principalmente a Polícia Civil. Repressão à ilegalidade é deficiente

15/2/2011

Paraíso natural de Jericoacoara se dilui no artificialismo de prazeres de drogas e sexo encontrados livremente

Não é à toa que Jericoacoara se apresenta como uma das praias mais belas do mundo. O litoral extenso e contornado por falésias, dunas imensas e a restinga, que hoje formam uma Área de Proteção Ambiental, oferece uma exótica mistura de praia e sertão.
Com esses encantos, a praia se internacionalizou, transformou-se no mais importante cartão-postal do Estado e passou a atrair o que há de melhor e pior na atividade do turismo. Pousadas bem equipadas para receber autoridades e qualquer pessoa em evidência da mídia se misturam com becos que somem em dunas, e onde se instalam os casebres, que antes se associavam tão-somente à vida rústica dos nativos, hoje despertam suspeitas da Polícia de serem locais de boca-de-fumo e ponto-de- vendas outras drogas. As batidas são raras, porque falta efetivo policial e, na dúvida, seus moradores não são incomodados pelas autoridades.
De lugar recatado e frequentado pelos amantes da paz e das belezas naturais, Jericoacoara viu suas restingas, presumidamente defendidas por lei federal, se mancharem de sangue. A guerra do tráfico de drogas deixou de ser algo comum aos grandes centros, para se enraizar num pedaço do litoral, a 330 quilômetros de Fortaleza.
Mazela

O promotor de Justiça da Comarca de Jijoca de Jericoacoara, Rodrigo Manso Damasceno, diz que o tráfico de drogas é hoje a maior mazela do lugar. O recente triplo assassinato, ocorrido em 19 de dezembro passado, em que a Polícia investiga os vestígios de luta pela demarcação de território, acendeu a luz vermelha de que o paraíso litorâneo é hoje disputado de modo caro e sangrento por conta do narcotráfico.
"Não temos uma prostituição explícita, mas não é descartada, assim como não são tão sérios os crimes contra o patrimônio. No entanto, são ações que inevitavelmente se intensificarão se não combatermos o tráfico de drogas", afirma Rodrigo.
Aos 31 anos, carioca, Rodrigo sabe que o desafio de representar o Ministério Público em Jijoca de Jericoacoara está longe ser uma atividade tão pacata como o lugar já inspirou essa sensação no passado. Ele lembra que o trabalho fica comprometido a partir da falta de estrutura do Poder Judiciário, uma comarca que foi recentemente desmembrada de Cruz, e da Polícia Civil, que conta com uma delegada e um escrivão.
Ele assumiu o cargo em 7 de dezembro do ano passado. Imediatamente, defrontou-se com assassinatos, represálias entre grupos de traficantes e uma justiça atolada em mais de 1.700 processo em andamento e somente um juiz para atender, todas as demandas.
Eis porque, conforme ressalta Rodrigo, se mantém uma fiscalização frouxa na atuação dos conselhos tutelares. A falta de um juizado de menores não permite que se faça esse acompanhamento e daí se verifica a livre presença de meninos e meninas, com idade inferior a 18 ano, freqüentando noitadas em boates e casas de forró.
Juliana tem 14 anos e mora em Cruz. Ela diz que não é natural se deslocar de seu município para desfrutar o fim de semana de Jericoacoara. Com um grupo de amigos, se sentem protegidos e distantes da batalha violenta travada por traficantes, ciosos em manter o rico território ocupado por viciados com alto poder aquisitivo.
Como adolescente, não é única a curtir a noite, onde estrangeiros e turistas brasileiros não encontram censuras para companhia e a celebração noturna tão pontuais, quanto o ritual de subir às dunas para assistir ao pôr-do-sol. O que é triste em Jericoacoara, como afirmam seus moradores, é que a juventude do lugar passou a pagar um preço caro, com a expansão da droga, sobretudo, o crack.
Fique por dentro
Repressão precária não consegue impor a lei

O gargalo para a Polícia são os recursos humanos. Como fazer investigação se faltam homens?", Indaga a delegada Rita Porto. Ela salienta que ainda neste ano não foi procurada pelo GGI, que tem como atribuição combater a criminalidade e a exploração sexual no Estado.
No entanto, a Secretaria de Justiça, através do Escritório de Enfrentamento e Prevenção do Tráfego de Seres Humanos, promete para ainda este ano instalar postos em Jericoacoara e Canoa Quebrada. Essa ação seria uma continuidade da ostensiva que o Escritório pretende empreender, inclusive com instalações já existentes no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza.
Na Avaliação do GGI, a abordagem de mulheres par a o tráfico internacional diminuiu, em vista da pressão da Polícia Federal. Jericoacoara preocupa as autoridades menos pela atividade de prostituição e tráfico de seres humanos, mas pela crescente organização do narcotráfico.
Apesar de haver disputas explícitas de grupo para a dominação de territórios, o trabalho tem sido lento e o GGI se manteve ausente das principais áreas de conflitos, em vista da mudança de comando na Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).
O GGI vem atuando desde 2005, envolvendo 18 órgãos públicos e a perspectiva é dar continuidade neste trabalho, ainda de forma mais intensiva neste ano, haja vista que houve um mapeamento das áreas vulneráveis e riscos para a prostituição infanto-juvenil.
Esse trabalho foi concluído em dezembro do ano passado. Cumbuco é hoje um grande centro de atração de mulheres prostitutas, por conta do Kat Surf. 80% de pousadas, hotéis e restaurantes pertencem a estrangeiros. Do mesmo modo, a Taíba também preocupa pela grande demanda de sexo, e quando há a demanda também existe a oferta.
SEGURANÇA PRECÁRIA
Delegada e escrivão formam Polícia Civil

Numa emboscada, morreram, no dia 19 de dezembro passado, José Eudênio Pereira, 38, Bismark Vasconcelos Albuquerque, 40 e José Carlos Gomes da Silva, 33. A sangue frio, o pistoleiro esvaziou todo o pente da pistola nos ocupantes de um buggy, enquanto eles se deslocavam de Jijoca a Jericoacoara. Duas das vítimas viajavam de carona.
O crime foi considerado hediondo pelo Ministério Público e uma prioridade de investigação para a Polícia Civil de Jijoca de Jericoacoara, não obstante toda a limitação de seu efetivo. Afinal, a execução com arma automática, uma pistola ponto 40, suscitou suspeitas sobre o fato de que Jericoacoara tornou-se um centro de disputa do crime organizado, onde chefões mandam executar inimigos pelo domínio no comércio de drogas, principalmente a cocaína.
A delegada titular Rita Porto diz que há indícios fortes nesse sentido, mas por falta de pessoal e a necessidade de concluir um inquérito com todas as provas possíveis, deverá requerer um pedido de ampliação do prazo para a sua conclusão.
Na distrito policial, trabalham apenas a delegada e um escrivão. A segurança pública tem auxílio da PMTur, que atua com oito a 10 policiais por dia. No entanto, Rita considera insuficiente para atender a toda a extensão praiana, principalmente nas áreas do Preá até Jericoacoara. "As bocadas são casinhas, de difícil acesso. A gente nem consegue chegar lá, inclusive há também o aspecto que é também lugar de moradia dos nativos, que não tem nenhuma relação com o tráfico", afirmou.
Inteligência
Para Rita, o grande complicador é o serviço de inteligência. Ela lembra que a Justiça tem atendido aos apelos por uma ação mais efetiva e até expedido mandados de busca em pousadas e hotéis suspeitos em Jericoacoara. No ano passado, dez estabelecimentos comerciais foram investigados pela Polícia, com mandado judicial, mas não houve nenhum flagrante. Contudo, garante ainda que o município é calmo comparando com os municípios de Cruz, Itarema e Bela Cruz.
A opinião do especialista

Opção por prostíbulos

Não há como contestar que se houve uma diminuição no tráfico internacional de seres humanos, o mesmo não aconteceu no fluxo doméstico. Em 2010, realizamos cerca de 50 operações e a constatação foi que os prostíbulos no Centro e no Interior são, na atualidade, os maiores responsáveis pelas restrições de liberdade e pela prática do cárcere privado.
Na verdade, não houve no ano passado nenhum registro de tráfico internacional. Mesmo assim, é difícil precisar pelo poder público como se encontra a realidade atual, sobretudo no tocante a movimentação interna no Estado. Ou seja, mulheres de outros Estados e municípios com atuação característica de tráfico.
Percebemos que há uma demanda dessas meninas para outros países, para fazerem programas e trabalharem nas boates de lá, mas com o monitoramento nosso, para que não haja o tráfico internacional de seres humanos, isso tem sido bastante dificultado.
As mulheres estão pagando suas passagens e retornando dentro do prazo estabelecido. Essa motivação acontece a partir do momento em que conhecem os estrangeiros, mantém relações, e a partir de então surgem os convites. Quando a gente conversa com elas, verifica que em nenhum momento houve cárcere privado, tiveram retirado o passado ou privado da liberdade.
No entanto, prevalece o comportamento de muitas mulheres preferirem atuar em casas de prostituição, por segurança delas, são estabelecimentos que também estão sendo monitorados pelo nosso Escritório juntamente com o Juizado e a polícias civil e federal, e fazendo um trabalho de orientação.
Há dois meses fechamos uma casa em Fortaleza, no Conjunto José Walter, por favorecimento à prostituição e foi identificada que havia garotas que antes atuavam na Praia de Iracema. Conversamos com uma delas e essa afirmou que no lugar antigo onde atuava, corria o risco de ser espancada, estava na rua e nem todos os dias tinha cliente.

Diário do Nordeste

MARCUS PEIXOTO
REPÓRTER